terça-feira, 2 de junho de 2009

Sobre o papo da Copa

Dias atrás eu disse que não aguentava mais esse papo de Copa. Mas decidi manifestar minha opinião. Não, não confundam a MINHA opinião com o meu trabalho.
Falo como cidadã.

1 - Ninguém colocava fé na candidatura de Belém. Desde sempre o que mais se ouvia por aí era neguinho dizendo "ê, rapá, é Manaus, já tá certo, nem me empolgo", portanto, não entendo porque tanta revolta. O que é? Estão querendo desforrar a TPM e a raiva do chifre nesse assunto agora?

2 - Vocês acham mesmo que governadores e prefeitos do Norte têm peso junto à FIFA para garantir politicamente que a Copa viesse para aqui ou para acolá? Eu acho que nem o LULA tem esse peso. Se tivesse, a Copa estava aqui. Ele declarou publicamente que apoiava Belém. Acordem! A questão não apóio político. É apoio monetário, saca?

3 - A Vale com toda a sua imponência também apoiou a Copa em Belém, mas ela não tem peso nesse caso. Quem tem é a Coca-cola e outras empresas que patrocinam a Copa e elas, estavam com Manaus. Todos sabemos.

4 - Vocês não acham muito suspeito que uma lista que era tida como super secreta, num envelope lacrado tenha vazado dois dias antes para um repórter da Globo? Na minha singela opinião, isso põe em xeque toda a lisura do processo de escolha.

5 - O Governo do Estado do Amazonas armou um palco nunca visto em Manaus e contratou duas bandas nacionais. Tinha certeza da sua vitória. Muito confiantes, não? Demais para quem estava com um caderno de encargos tão incompleto...

6 - Quem assistiu ao anúncio oficial viu que o carequinha da FIFA deu coçadinha na cabeça, uma risadinha e justificou "Bem, a escolha dessa cidade foi meio difícil, mas escolhemos Manaus". Oooooooooooooooopa!!! Sabe porque foi difícil??? POrque não tem nada naquela cidade. E lembrem-se, ele não justificou a escolha de nenhuma outra cidade no anúncio!! Nehuma!!
Manaus não tem energia, não tem fibra optica, não tem facilidade de acesso, não tem estádio, não tem tradição no futebol. Ou seja, tecnicamente Belém devia sediar essa bagaça!!! Mas, alguém mandou mudar as coisinhas....

Discordo totalmente do que disse ontem a jornalista Úrsula Vidal ao entrevistar a coordenadora do GT Copa, Lúcia Penedo, de que Manaus está anos na frente de Belém. Não, minha cara e querida Úrsula, Manaus não está na frente de Belém. Lá "só" tem hóteis melhores que Belém. Solamente. De resto, até eu, que nem gosto tanto assim da capital paraense, sei que aqui é bem melhor e mais desenvolvido...
Ok, agora vamos mesmo ficar na lanterna...

Bom é o que eu acho.
Sei que todas as exigências do cadernos de encargos foram cumpridas.
Se Belém não passou, dessa vez não dá para culpar os de sempre.

Abaixo, coloco um artigo do Juca Kfouri, que entende muito mais dessa lama da CBF do que eu. Peguei lá do Blog Espaço Aberto.

===============================================


Acabou a farsa”.

O PRESIDENTE da CBF acredita que vive num país de néscios, razão pela qual passou meses repetindo que a Fifa é quem escolhe as cidades-sede da Copa do Mundo.
Verdade que há ex-jornalista em atividade que repete a falácia na TV, apesar de saber que o formal não existe no futebol, só existe o informal e a politicagem.
Mas vale saudar a escolha de quatro cidades do Nordeste, região que mais tem a ganhar com a Copa.
E lamentar a escolha de Cuiabá, no Mato Grosso do governador "motosserra de ouro", título dado a Blairo Maggi pelo Greenpeace, em homenagem ao maior produtor de soja do mundo e um dos maiores desmatadores do país.
Para uma Copa que se pretende ecológica, nada menos apropriado, embora Maggi tenha bem mais de um milhão de razões para influenciar decisões no mundo do futebol.
Tão natural como a escolha de Manaus para representar a espoliada Amazônia, apesar de Belém ter mais tradição futebolística, teria sido a de Campo Grande para mostrar as belezas do Pantanal.
Mas, de tudo, o que mais salta aos olhos é a indefinição sobre quem fará a abertura da Copa.
Claro está que Ricardo Teixeira esperará quanto tempo puder para se definir entre São Paulo e Minas Gerais, ou melhor, entre José Serra e Aécio Neves, além de guardar Brasília como uma terceira hipótese, mais para constar e disfarçar o que está, de fato, em jogo.
Não fosse a dúvida sobre qual dos dois será o candidato tucano à sucessão de Lula e o cartola já teria se resolvido pelo ungido, embora seu coração penda claramente para Neves, seu amigo e mais parecido com o yuppie Fernando Collor -até pelo silêncio que impõe à imprensa mineira, como se fosse a alagoana-, a quem o ex-genro de João Havelange chamava de "meu presidente".
Se ele pudesse ver José Serra pelas costas já estaria vendo, também pela presença de José Luís Portella no governo paulista, alguém que Teixeira desgosta tanto que ameaçou não entrar na cerimônia de lançamento do Museu do Futebol, no Pacaembu, quando soube da presença do atual secretário dos Transportes Metropolitanos no local.
Portella, lembremos, foi o arquiteto do Estatuto do Torcedor.
A fragilidade do primeiro projeto de reforma do Morumbi foi a senha para justificar a dúvida, embora até o mais ignorante dos cartolas da Fifa saiba que São Paulo é a principal cidade do país, palco óbvio, ao menos, para a abertura da Copa.
Que o Mineirão é mais agradável que o Morumbi ninguém pode negar.
Só que como nada justifica a construção de uma arena para a Copa em São Paulo, a não ser a ganância dos de sempre, a festa inaugural tem de ser mesmo na casa tricolor.
De resto, é bom dizer que orgulha trabalhar num jornal que tenha feito o editorial que esta Folha fez, no sábado, sobre a miséria de nosso futebol.
E tenha dado a cobertura que deu, ontem, sobre a escolha das sedes, revelando quem é quem na Fifa e suas folhas corridas.
Em vez da celebração acrítica que cabe aos publicitários e aos donos da bola, o dedo nas feridas.
E não porque a CBF discrimina a Folha, mas porque o jornal não bajula a CBF para ter furos.

3 comentários:

Anônimo disse...

Grande Waleska,
sabe que mesmo sem ler a coluna do Kfouri já tinha chegado a uma conclusão parecida.Acho que não precisa ser muito esperto pra isso, que foi dinheiro.Pena são os oportunistas de plantão. Agora só nos resta seguir a sugestão de um outro blogueiro, juntar todas as ignoradas vantagens de Belém e fazer lobby pra q seja aqui a Copa das Confederações , e ainda dá uma banna para Manaus, com os jogos de menor importância da Copa. Seria uma maneira de dar a Belém a visibilidade e o respeito que ela merece.

. disse...

É isso, aí, Pessoa sem nome!
beijocas!

Ric@rdo disse...

Beleza! vc disse tudo. Olha ai:
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2009/02/05/ult59u186681.jhtm.
(sobre manaus mascarada)
Ainda acredito que Belem tera uma chance na copa das confederacoes 2013 (que o governo do amazonas egoisticamente tbm quer como fazem ha anos com a zona franca) e só nao parar as obras que estao fazendo agora. Se nao ganharmos em 2013 ai será mesmo uma grande burrice e politicamente falando o Jatene pode voltar.