terça-feira, 21 de abril de 2009

A imprensa não vai questionar?

Alguém me corrija se eu estiver enganada, mas ainda não vi nenhum veículo questionar a tentativa de homicídio clara que houve na fazenda do Daniel Dantas, em Xinguara, dias atrás.

Estou bem decepcionada com a cobertura jornalística do caso. Os jagunços do banqueiro atiravam incessantemente contra homens que "só" tinham paus nas mãos e corriam de costas, e ninguém falou uma linha sobre a tentativa de assassinato ousada, na frente de uma câmera de televisão.

Não, aquilo não foi legítima defesa... Seria se os sem-terra significassem de fato uma ameaça para um grupo armado de pistolas. Não eram. Eles correram, entraram na fazenda e, ainda assim, foram mirados sem trégua. Quer rever para tirar a prova? Clica aqui.

Os jornais noticiam o fato como um "conflito", mas que conflito é esse que de um lado estão homens com paus e do outro, homens armados com pistolas e espingardas? Houve nitidamente uma tentativa de homicídio (as cenas são claras!) e ninguém mostrou qualquer inquietação sobre isso na imprensa. A Globo, com seu discurso sempre anti-movimentos sociais, apela ao sensacional da cena, sem falar na tentativa clara de um massacre testemunhada por todos os brasileiros que viram aquilo.

Não estou aqui querendo dizer que no MST só tem santo, mas o carro que a equipe de jagunços que o Daniel Dantas usava tinha escrito (e bem grande) Escolta ARMADA. Se tiveram coragem de agir assim na frente de uma câmera, imagine o que teriam coragem de fazer sem o registro....

Ok, a questão crucial do quase massacre vai muito além. O debate é muito mais amplo. Mas este post é, acima de tudo, sobre a limitada cobertura do fato.

E o jornalista que teve a chance de testemunhar tudo e, como tal, impedir que essa desgraça acontecesse, preferiu se dizer vítima de um suposto "escudo humano"...

4 comentários:

Anônimo disse...

Xará, a arma de grosso calibre usada contra os sem-terra não é permitida para seguranças, exceto quando envolve transporte de valores. Escopeta de repetição é proibida pela Polícia Federal para esses casos. Apenas o porte dessa arma é crime. E os sem-terra de 'baladeiras'.

Alanis disse...

Desculpem me todos, mas eu simplesmente não acredito mais em MST's, MSM's, MSUniversidade, MSMaridos e afins. Sempre tem politicagem, panfletagem, sacanagem e viagens por trás, pela frente, pelos lados...

Não acho certo mandar bala, mas eles, os Sem Terra, também não são santos, hein? Que o diga a Irmã Dorothy, que no fundo, nem era tão Irmã assim...

Cala-te boca!

Paulinha, vulgo Joanna.

. disse...

Oi, Paula!

Pois releia o texto e veja que eu não estou defendedo movimento x, y ou z. Estou questionando a postura da imprnsa em relação ao caso. As imagens era claras de que os jagunços continuavam atirando sem parar em cima dos militantes do MST, mesmo quando eles já estavam de costas correndo pelo mato, e ninguém questionou a tentativa de assassinato!!
E outra mais absurda, o cinegrafista estava do lado da escolta armada do Daniel Dantas, portanto, como estaria servindo de escudo humano???
Cobertura mentirosa!

Quanto a tua comparação da Irmã Dorothy com o MST, se você conhecer mais o caso, saberá que a luta dela sempre foi para defender o PDS (programa de Desenvolvimento Sustentável), na região de Anapu. Ela também defendia a reforma agrária, como eu defendo e como acredito que te deves também defender. E defender isso não quer dizer "somos MST".

Defendo o fim da homofobia, e não sou lésbica! Entendes?

Sugiro que assistas, no Moviecom do Castanheira, ao documentário "Mataram a Irmã Dorothy".
Vais entender bem o que falo.

Alanis disse...

Eu não critiquei o fato de você defender ou não o Movimento. O que eu me referi foi que esses Movimentos de Sem-Qualquer-Coisa, para mim, não tem mais o mesmo efeito de antes, sabes? Muita bandidagem por trás. Quem patrocina tantas camisas, bonés, armas...!?

Independente de quem seja o dono das terras invadidas, creio que eles, os Sem Terra/Sem Teto, tiveram o que mereceram. E eles também estávam armados. Enfim, cada um se defende como pode, nestas horas. Até eu, se fosse atacada e tivesse armada, iria reagir, seja lá em qual lado eu estivesse.

Com relação ao 'escudo humado', bem isso ai foi papo furado, rs, coisas da Liberal...

Eu vi o doc sobre a Irmã Dorothy e sei que, dentre as causas que ela defendia, estáva a Reforma Agrária. Mas nunca achei que ela fosse tãããão caridosa assim, pois de uma forma ou de outra, ela incitava as invasões de terra. E todos nós sabemos como terminam essas 'lutas'... Lógico, nada justifica terem matado a mulher, né?

Cessaram-se os debates e foram todos à luta armada. Acho que cada um tem o que merece também.

Ei, eu faço a minha parte com relação ao Movimento Gay. Na verdade, faço minha parte para TENTAR à muito custo, fazer com que meus aluninhos entendem as diferenças. Defendo a causa do meu jeito. Mas a causa dos Sem Terra, eu não defendo mais.

Paulinha, vulgo Joanna.

Beijos, Leiiiska! =P