terça-feira, 27 de novembro de 2012

A cafonice das bolsas de letrinhas

Eu não sei como isso virou moda, só sei que é muito cafona: as bolsas de letras.
Por onde se anda, nos centros ou nas periferias, há moças e senhoras exibindo as suas. MK, Victor Hugo, Louis Vuitton e umas outras siglas que desconheço.


Uns anos atrás, exibir bolsas com letras era sinal de status e riqueza. E naquela época eu já achava cafona. Imagina pagar R$ 5 mil por uma bolsa bege e marrom cheia de letrinhas?! Eu não! Desperdício pra mim também é cafonice!

Hoje em dia é possível comprar uma réplica (quase) perfeita por R$300,00 ou R$200,00. Elas vêm com os detalhes externos todos parecidinhos (o acabamento interno nunca é o mesmo). O problema é que por mais perfeita externamente que seja a bolsa, muitas das moças que carregam o acessório são visivelmente falsas. Quer dizer, jamais teriam money para gastar num bem original daquele. Logo, a cafonice fica ainda pior.
Porque, minha colega, pior do que as letrinhas, é você tentar parecer aquilo que você não é!


Ou seja, não tem pra onde fugir: as bolsas de letrinhas da moda são cafonérrimas messssssmo!

Um comentário:

Prof. Alan disse...

Isso é resquício da época do Brasil Império, quando as pessoas exibiam suas comendas (sinal de proximidade com o Imperador) em vistosos laçarotes de fita na lapela.

Mudaram os tempos, mudaram os sinais exteriores de riqueza e poder, mas a necessidade de exibi-los (ainda que de forma cafonérrima) continua atualíssima!