segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Sou mais o bajubá

Começa mais uma novela da Glória Perez com cenários exóticos, onde acontecem diálogos em que as pessoas insistem em repetir o sentido das palavras.
- Lembra quando eu peguei você? Você era um lindo judá*, um lindo menino.
(*não sei ao certo se foi isso que eu ouvi, mas vale)

Vai ser assim a novela toda. E essas palavrinhas vão virar gírias no Brasil. Foi assim com a novela dos árabes, nos ciganos etc.

Eu fiquei pensando, o Miguel Falabela podia fazer uma novela que se ambientasse Austrália, fazendo uma ponte entre Ipanema, no Rio, e os arredores da Frei Caneca, em São Paulo. Ah, ia ser muito mais legal que essas novelinhas Glória Perez. As traduções imediatas seriam todas para o Bajubá, o dialeto gay.
-A mapô, a mulher, chegou linda de viagem.
- Também com bela carreira de modelo que fez na Austrália, voltou cheia de aqüé, cheia de dinheiro.
- E além de muito talentosa casou com um belo bofe, um belo homem. Ah, um daquele fazendo meu edi, fazendo meu c*.

Gente, na boa, ia ser uma novela muito mais divertida!

Um comentário:

Rapha Miranda disse...

Aaa... uma novela com o dialeto gay provavelmente seria mais divertido mesmo. O mais impressionante é que tanto a Globo, quanto a Record (que está investindo em dramaturgia), já tiveram personagens gays em suas novelas e nenhum deles falam bajubá.

P.S.: Não sou de ver novelas.